quarta-feira, 12 de agosto de 2009


Meninice

No quintal da minha juventude
vô vaqueiro entoava um canto:

__ Beba água de poesia,
menina!
Tome um gole, todo dia
como forma de oração!

Parecia religião
o que vô vaqueiro dizia:
__ Ser fiel à poesia
é dar vida à emoção.

E aí, entre o canto e a voz,
a palavra exalava o tom azul
do meu começo.

Maria Maria

7 comentários:

daufen bach. disse...

Maria,
de todos os teus blogues o que considero o báu com as riquezas
mais valiosas é este!
que maravilha de poesia. linda! uma imagem maravilhosa. parece que ouço: aboiá...aboiáááá.

abraço a ti e linda semana.

daufen bach.

Mirse disse...

Lindo, Maria!

Lembrei de minha infância, a pouca que tive.

Olha, O Senhor dos Altíssimos, só aprovou as "falas de St. Agostin por sua causa, pela poesia de Maria Maria....lá no Balaio Porreta!

Beijos

Mirse

Canto da Boca disse...

Se você gostou, menina linda, do poema lá no Canto, já fiz meu dever de casa, risos. É sempre um prazer imenso ter-te aqui (lá), com seu olhar de lince que enxerga muito além do superficial.

Um beijo, Maria, cheio de carinho!

;)

----------------
Nossa! Que evocação à Leon Tolstói!
As imagens regionais todas, fazendo deste, o quintal mais lindo mundo!

Um beijo grande!

Oreny Júnior disse...

Maria
Belo poema
O começo do poema
Está no fim
Aliás
Não existe fim à poesia

Obs. Tire esse ponto final, dará sinal de infinitude

Abração

Oreny Júnior

Patrícia Lara disse...

Oi Maria!

Que doçura de versos... que imagem linda!

"Ser fiel à poesia
é dar vida à emoção."

Perfeito, Maria! Parabéns!
Beijos pra vc e tenha um lindo final de semana.

Patrícia Lara

esdras.silva disse...

Lindo, pró. Agora eu entendo tanto talento.

Esdras Souza

Marcelo Novaes disse...

O sopro [azul] do início.




muito bonito!






beijos,







Marcelo.