domingo, 16 de novembro de 2008

Poema dedicado a Cirne e Castro, duas
almas livres do Brasil.

Poesia-nua

Precisava ver meu avesso:

li Pessoa, Rosa,
Ramos Rosa.
Li dos Anjos do céu
e da terra.
Li o Seridó com meu olho
nu de fêmea sertaneja.
Li Chico e Ojuara.

O avesso se escondera:
tirei a roupa.

Maria Maria

José Ferraz de Almeida Jr (Brasil,1850-1899) Moça com livro, 1879, MASP

Um comentário:

luma carvalho disse...

olá, maria maria...

tô aqui dando uma olhadinha no teu espartilho... muito bonito!

essa menina anda escrevendo um bocado, né?

beijos na alma
com sabor de "dê uma passadinha lá em minha casa-blog e me diga: o que é a poesia?"

luciana
luma
lua