quinta-feira, 15 de maio de 2008

Agora e antes

Havia uma mulher
cigânica,
cavérnica
e
domadora.

Amante
e amada
(pelos cabelos).
Uma mulher
que não usava xampus.

Havia...

A mulher de agora
tem uma calcinha na bolsa,
um sutien de silicone,
uma tatuagem
e não mora numa caverna.

A mulher de agora
é surrealista,
feminista,
liberta, mas
nunca deixará de ser mulher.

Maria Maria

6 comentários:

Moacy Cirne disse...

Havia uma certa Maria. Orgânica? Cavérnica? Domadora? Não sei. Não sei. Mas sei que há uma certa Maria Maria domadora de palavras.

Maria Maria disse...

Obrigada!A sua visita muito me alegra! Beijos de Maria Maria.

Moacy Cirne disse...

MARia MARia: você foi citada no Balaio de hoje. Beijos.

Cássio Amaral disse...

Vinícius de Moraes e John Lennon eram de libra. Eu sou de libra também. Engraçado, sou Professor de História, Filosofia e Sociologia. Você gosta de Voltaire. Risos. Moacyr fez bem em aplicar você em mim e no mundo inteiro.

Beijo e ótimo domingo.

Muita luz, saúde, prosperidade e paz.

Bacana tua poesia.

Voltaire Rebelado de França disse...

pode-se até ser feminista, mas não se pode deixar de ser mulher...
belo poema.
=))

marilia jackelyne

Maria Maria disse...

Obrigada, Marilia, você é sempre bem-vinda à casa. Beijos desse sertão do seridó