quinta-feira, 9 de julho de 2009


Baú dos vestidos

Para a minha avó Chiquinha

Todos os meus vestidos
foram tecidos
com os fios dos vestidos
das mulheres de ontem.

Massacrados pelo vento,
apagados pelo destino,
meus vestidos e suas texturas
se refazem todo tempo.

Todos os florais
dos meus vestidos
- vestidos por tantas Marias-
se dobram recolhidos.

São vestidos de múltiplos tons,
de chitas estampadas, de saias rodadas,
guardados delicadamente
no baú ensabonetado de minha avó.

Maria Maria

5 comentários:

Oreny Júnior disse...

Maria Maria

Seus poemas
são mais gostosos
do que pão doce
com caldo de cana
caiana

Abração

Oreny Júnior

Jeanne Araujo disse...

amei seus vestidos...eles tem o cheiro das coisas guardadas e resguardadas.bjos

José Carlos Brandão disse...

Você está com uns poemas gostosos, hein? Gostei.

Beijo.

Marizabel Brandão disse...

Adorei os seus ¨vestido¨; tem corte,tecidos e modelos das nossas raízes, do nosso sertão.

Marizabel Brandão disse...

Adorei os seus ¨vestidos¨; tem corte, modelos e tecidos das nossas origens, do nosso sertão.