domingo, 28 de junho de 2009


Navegar

Eu não tenho
canoa para navegar,
mas tenho jangadas
que me levam para o mar

de poesia.

Não tenho a proa
para o vento levar,
mas tenho a magia do livro
para me fazer voar.

Maria Maria

7 comentários:

Canto da Boca disse...

Já tens tudo!

UM beijinho.
;)

Moacy Cirne disse...

Como sempre, um bom poema. E que as suas jangadas a levem para o mar e para o amor. Ah, no Balaio de hoje A GRANDE SURPRESA pra você, previamente anunciada.

Um beijo.

Oreny Júnior disse...

você navega com zila
cantarola com dorival
e anuncia o poente
da sacada de seu luís...

lindo poema...

abraços

Mulher na Janela disse...

um poema para ser lido em voz alta, de alma leve.

beijos...

Moacy Cirne disse...

Maria Maria:
a saga do Novo Testamento não terminou. Hoje tem mais.

Um beijo.

Ramon Alcântara disse...

E o livro abre asas sobre o mar, como a poesia mergulha sem afundar. Como na cena clássica do pôr do sol e as andorinhas, fico lá.

abzz

DALVINHA disse...

Parabéns!!!