segunda-feira, 7 de julho de 2008


Para os que pensam
tal qual os índios.

Círculos

Abençoados sejam
os trovões:

o brilho semiótico nas rochas,
o olhar selvagem do céu,
o êxtase dos brotos,
a sede de romper o chão,
a ponta do verde,
os círculos de fogo.

Abençoados sejam
os relâmpagos:

o germinar dos fios,
o deitar dos rebentos,
a ereção dos bulbos,
o sopro do vento,
a boca do tempo,
as vozes da manhã.

Abençoados sejam.

Maria Maria
(das tribos do Seridó)

Um comentário:

Mulher na Janela disse...

minha alma indígena entendeu seu canto. mais que entendê-lo, sentir, cheirar, comer... processos indispensáveis ao fruir da bela poesia.

beijos...

Iara