quinta-feira, 3 de julho de 2008

Esse poema é dedicado
ao erotismo sutil dos
poetas simbolistas.


A folha e a árvore

A folha folheou-se
na árvore.

Com a canção
de Eros, erotizou-se.

Colheu a folha,
a árvore.

E a bolha, de clara
virou gota.

E o gozo
era verde-folha.


Maria Maria


Foto: charquinho.blogs.sapo

3 comentários:

Cássio Amaral disse...

Muito bom poema e seus poemas eu gosto.

Beijo e valeu tua luz e generosidade.

rio.gomes disse...

Sim, Maria, sempre visito seu espaço e me embriago com tamanha beleza, tanto que fico sem palavras para comentar. O que dizer do "beijo alado" no poema aí embaixo? Que coisa linda! Um abraço e obrigado por me visitar, viu?!

A Rosa do Deserto. disse...

Maria.

O erotismo sempre nos seduz e c palavras c as suas fica fácil inebriar-se.

Beijos Poéticos.
;***