sexta-feira, 28 de maio de 2010


Bagagem

Trago na mala de viagem
um pouco de cinza:

na mão, um punhado
(de algodão),
um cheiro de terra
materna,
um amuleto de xelita,
um vestidinho de chita
bordado com imensidão,
trago também um baião,
amarrado na cintura,
um pouquinho de amargura
derramado pelo chão.

E se mal já fiz um dia
trago um pouco de alegria
e a certeza do perdão.


Maria Maria

2 comentários:

Mirze Souza disse...

Maria Maria

Nunca me arrependo de passar por aqui!

Magnífico poema!

Beijos

Mirze

Márcia Luz disse...

E quem não quer essa bagagem? Lindo poema! Parabéns!