sexta-feira, 19 de novembro de 2010


Substantivo abstrato

Ausentei-me esses dias
de minhas verdades
- e tornei-me águia.

Naveguei as águas
que choram das flores
- e me perdi.

Tornei-me ninfeta
dos anos maduros
- e virei sentimento.

Sou saudade
que goteja dores pelas paredes
- internas da alma.

Maria Maria, in Outônicas

6 comentários:

Mirze Souza disse...

Como águia, recebemos esse belo poema!

Virar sentimento, é uma imagem mais que bela!

Maria Maria!

Parabéns, poetisa-sonho!

Beijos

Mirze

José Luis de O Costa disse...

Oi,

Aqui é José Luis, do CCT.
Agora também tenho um blog, você pode me visitar.

Meu blog é

menteandarilha.blogspot.com

Ramon Alcântara disse...

Transeunte de concreto e sonho, poeira e imaginação, sentido e certeza, ausente naquilo que conversa e faz. Saber-verdade-poder sempre!

Ann Nothing lhe aguarda!
Abz.

Por que você faz poema? disse...

A vida é feita de concretos,
a poesia é feita de abstratos.

AC Rangel disse...

A poesia, a doce poesia me surpreende sempre. E sempre a surpresa é positiva. Andando por este Brasil dos blgues, por este país repleto de poetas descubro, em pleno Currais Novos, Rio Grande do Norte, uma poetisa deste porte.
Maria Maria, nome duas vezes lindo, poesia infinitamente bela.
Parabéns... Amei.

beijo

Rangel

ESTRELA DALVA disse...

Lindo!!! Parabéns!!!