segunda-feira, 2 de agosto de 2010

CANÇÃO DO TEMPO DOCE

À segunda hora da tarde
o quebra-queixo
é vendido pelo doceiro,
e o tempo doce de coco,
o tempo ameno de amor
vai se desmanchando
em guloseimas e babas
que escorrem pelo canto
mais escondido,
da boca.

Maria Maria

2 comentários:

Maria José Mamede disse...

Prezada EME,

Belo o seu poema!

Fez surgir em mim lembranças do"Doce japonês" de Natal, em tempos de Guerra. Nessa mesma hora, o tabuleiro era ofertado ao longo da rua Jundiaí!

Abraços. MJosé,

DALVINHA disse...

Lindo!!!!!