domingo, 30 de janeiro de 2011


Palavras

Hoje percebi que as palavras
se colocam.

Não sou eu quem as pronuncio
ou escevo.

As palavras se espremem
-muitas vezes-
em meio a pensamentos.

E acabo pensando que
duelam comigo.Talvez!

Porém, nesse jogo,
quem dá as cartas sou eu:

a ponte,
o veio,
o rio,
a enchente.

Só navegam em minhas margens
o que eu determinar como galho,
como tronco e suporte para
uma realidade inteiramente pessoal.

Maria Maria

4 comentários:

José Luis de O Costa disse...

adorei suas poesias, eu fiquei voando nos poemas, é simplesmente as poesias mais bonitas que eu já vi.

José Carlos Brandão disse...

As palavras, ah, a mágica das palavras.
A palavra nomeia o mundo - daí a grandeza do ofício do poeta.
Beijo.

Mirze Souza disse...

Maravilha, Maria Maria!

As palavras são mágicas e em suas mãos, mais ainda!

Lindo poema!

Beijos

Mirze

José Luis de O Costa disse...

Obrigado pela postagem.
Suas poesias também são muito interessantes.