sábado, 9 de janeiro de 2010


Areia do Seridó

São minúsculas as pedras
que formam a areia do rio Seridó.
Mas o vento
-soprando suave-
as levam para longe,
para além das aguas.

Que sumam vento adentro
e que rumem para um deserto
onde eu nunca possa revê-las,
porque passarei pelo rio heraclitano
e jamais serei a mesma
areia do Seridó.

Maria Maria

4 comentários:

Mirse Maria disse...

Maria Maria!

Adoro seus poemas, a construção e o esmero que dedica à eles.

No entanto, não conheço (infelizmente)esta Terra tão falada e cativante!

Deu para pegar o espírito do poema!

Que é belo sempre!

Beijos

Mirse

Canto da Boca disse...

... E de fragmento em fragmento, se faz poesia, ela, a Maria, do Seridó!

Beijo!

Moacy Cirne disse...

Maria Maria Maria
e o Balaio,
hoje.

Um beijo.

Iara na Janela disse...

lindooooo...

tanta areia correndo em nossas veias!

beijos.